Bar do Chico: carne de sol e cerveja mofada

Bar do Chico: carne de sol e cerveja mofada

Do Rio de Janeiro:

Ex pé-sujo, o Bar do Chico é um destino famoso da região da Afonso Pena, na Tijuca por sua cozinha nordestina acertada. Deve haver bem umas centenas de Bar do Chico espalhados pela cidade do Rio de Janeiro e uns milhares ao longo do Brasil. Eis aí um nome de boteco bastante comum (junto com Bar do Zé). Neste caso em particular, este Bar do Chico em que parei não tem nada de comum: é um ótimo boteco nordestino conhecido principalmente por sua cerveja Mofada.

Bar do Chico, botequim, comida nordestina, Tijuca, Rio de Janeiro (1)

A marca registrada da casa: a cerveja com cristais de gelo cobrindo a garrafa

Não se enganem com a palavra, não se trata de cerveja fora do prazo de validade como os não tão habituados a linguagem botequinesca poderiam supor. O termo indica uma garrafa servida coberta de cristais de gelo, o que dá um aspecto branco a ampola. Daí mofada. Ou seja, cerveja estupidamente gelada como todo brasileiro – eu incluso – adora. Foi justamente por conta da tal Mofada que este Bar do Chico nunca me saiu da cabeça – apesar de eu só ter estado lá anteriormente apenas uma única vez, quando o pé ainda era sujo e o cearense Chico preparava comidas em uma churrasqueira enferrujada ali mesmo na calçada.

Ainda fiquei um pouco na dúvida: seria o mesmo local? Teria de ser, pois a esquina da Rua Afonso Pena com Rua Pardal Mallet não mente. Entrei no interior da casa o qual não cabe nada mais do que o balcão (depois descobri um anexo maior, dando para a Rua Mallet, um salão grande com mesas de madeira). Aqui é o Bar do Chico, famoso pelas cervejas “Mofadas”? Perguntei. Sim, me respondeu o moço que atendia a um engravatado e um senhor que ali se recostavam para uma birita de inicio da noite.

Bar do Chico, botequim, comida nordestina, Tijuca, Rio de Janeiro (2)

O boteco serve uma respeitável carne de sol. Sabor bem marcante como no nordeste

Está mais arrumado, com cara de lanchonete e perdeu aquele charme largado que todo o pé-sujo tem, mas ganhou em organização e limpeza, certamente. O que importa é se a cerveja mantém-se mofada como sempre. Sim, constatei logo que o seu moço me trouxe uma ampola, coberta de gelo, que permaneceu por um tempo resistindo à temperatura exterior de vinte e poucos graus.

O comandante da casa, o Chico, não estava. Trabalha só na parte da manhã, me revelou o pessoal. O rapaz que me atendeu perguntou se eu não queria sentar junto as mesas espalhadas pela larga calçada. Ali é onde a clientela gosta de ficar a beliscar uma das muitas opções do cardápio, como carne seca e de sol. Esta última é o carro chefe do boteco, mas o bar também oferta outros clássicos já mais para cariocas do que nordestinos – como carne assada e até mesmo peixes. Prefiro estar na raiz nordestina. Aceitei a sugestão e saí da parte interna e aconcheguei meu peso, com o devido cuidado, em uma das mesas de plástico ao redor

Boteco com garçom e tudo, bom atendimento, cerveja muito gelada. Que mais eu poderia querer? Ali naquela rua pouco movimentada da Tijuca, perto do metrô, é uma boa pedida esse tal de Bar do Chico. Melhor ainda foi constatar que a carne de sol é bem feita, mas não para qualquer um. Porque digo isso? Nós cariocas estamos acostumados a comer uma carne de sol de gosto mais fraco, e por ali a carne tem um sabor forte, típico das que são servidas no nordeste e eu adoro. É macia, bem feita, com cebolas e acompanhada ainda de uma porção de farofa e molho a campanha. Uma porção enorme que dá fácil para duas pessoas por dezoito pratas.

Bar do Chico, botequim, comida nordestina, Tijuca, Rio de Janeiro (4)

Legal é sentar nas mesas da esquina, dispostas na calçada

Não comi tudo, por favor, não pensem assim de mim. Sou guloso mais nem tanto. Ademais a quentinha de sobra daria um ótimo almoço no dia seguinte. Terminei a minha cerveja, que já naquele tempo não resistiu à temperatura e deixou de estar mofada, e segui meu caminho até o metrô. Um ótimo botequim, uma grande carne de sol. Vale a recomendação, mas esqueçam o restaurante anexo, com cara de quilo do centro da cidade, ou o balcão de lanchonete. Legal é ficar por ali, na esquina, no céu aberto da calçada, vendo o movimento sentado nas mesas de plástico a tomar uma gelada e curtir a boa comida nordestina da casa.

Bar do Chico

Funcionam diariamente das 6h a 0h.

Aceitam cartões de débito.

Endereço: Rua Afonso Pena, nº 128 (esq. com a Rua Pardal Mallet) – Tijuca. Rio de Janeiro.

Contato: (21) 3872 7560.