Barracão do Aconchego

Barracão do Aconchego

Do Rio de Janeiro:

Independente de onde se escolha sentar para comer, dar uma volta na Feira de São Cristóvão – no Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas – é um programa sensacional.  Há diversos restaurantes por lá, todos estão mais ou menos no mesmo nível. De forma geral se come fartamente e bem, principalmente a comida sertaneja e pratos típicos como Baião de Dois, Galinha ao Molho Pardo, Vaca Atolada, Buchada – entre outras maravilhas do Brasil.

O enorme espaço da Feira também reúne uma série de biroscas e boxes com venda de artesanato e produtos diversos (comestíveis ou não). Dá para se perder um bom tempo por ali e é quase impossível sair de lá sem alguma coisa debaixo dos braços. No Rio de Janeiro, sem dúvida, é o melhor local para se comprar carne de sol, queijo coalho e o delicioso e gorduroso queijo manteiga.

Feira de Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (2)

A Feira reúne uma série de boxes com venda de artesanato e produtos diversos (comestíveis ou não)

Barracao do Aconchego, Feira de Sao Cristovao, Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (4)

Os restaurante costumam colocar um arranjo cênico do cardápio

Barracao do Aconchego, Feira de Sao Cristovao, Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (5)

O calor carioca nos obrigou a escolher sabiamente o salão superior com ar-condicionado

Tem alguns restaurantes que gosto por lá como o Estação Baião de Dois e a Barraca da Chiquita (este um dos mais antigos da Feira, ainda do tempo em que ela era um caótico amontoado de tendas ao redor do Pavilhão). Em minha última passagem pelo Centro, em companhia de meu amigo Xaxá, no entanto, decidi explorar um novo destino: a cozinha do Barracão do Aconchego, em uma das pontas da Rua Piauí.

Para quem não está habituado, o número de pessoas que chamam e insistem para que conheçamos os seus restaurantes pode parecer um pouco chato (e é), mas faz parte dos costumes por lá. Ignore os sinais de chame-chame e vá direto ao ponto. No nosso caso o Barracão do Achonchego. Outro costume dos comerciantes locais é colocar um enorme arranjo defronte a porta dos estabelecimentos, com uma versão cênica das principais opções servidas no cardápio. Dali se pode ter claramente uma noção do tamanho das travessas de comida.

Barracao do Aconchego, Feira de Sao Cristovao, Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (7)

Picanha de carne de sol com baião de dois, aipim e farofa (R$ 53,00)
Barracao do Aconchego, Feira de Sao Cristovao, Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (2)
Linguiça calabresa com farofa e vinagrete ( indicado como sendo apenas uma entrada, por R$ 18,00)

Como era um dia comum de semana o movimento estava fraco. O forte começa mesmo sexta volta 16h, se estendendo até domingo (a Feira funciona interruptamente de sexta a domingo). O calor carioca nos obrigou a escolher sabiamente o salão superior com ar-condicionado.  Estávamos com muita fome – o que nunca é boa coisa na hora de se decidir o que comer.

Era claro que um único pedido daria fácil para nós dois – com grandes chances até de gerar uma quentinha. Mas a nossa mente ogra nos condicionou ao insano ato de solicitar duas travessas. A primeira com a opção principal: Picanha de carne de sol com baião de dois, aipim e farofa (R$ 53,00); e uma segunda de linguiça calabresa com farofa e vinagrete (que no cardápio estava indicada como sendo apenas uma entrada, por R$ 18,00). Isto porque antes de tudo chamamos uma porção de queijo coalho (R$ 16,00) para preparar o espaço do estômago para esbórnia.

Barracao do Aconchego, Feira de Sao Cristovao, Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (6)

O queijo coalho na brasa estava sem erro

Barracao do Aconchego, Feira de Sao Cristovao, Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (3)

As carnes são preparadas numa enorme churrasqueira ao lado do restaurante

Feira de Sao Cristovao, Rio de Janeiro, comida nordestina (1)

Não resisti e saí da Feira com um pedaço do bom queijo coalho vendido por lá

Como eu disse no início do texto, os restaurantes da Feira, de forma geral, servem uma boa comida sertaneja. Não foi diferente com o Barracão. O queijo coalho na brasa estava sem erro e a picanha de carne de sol, macia e saborosa. Os acompanhamentos também nos agradaram. Tanto o aipim (ou macaxeira – crocante e bem frita) quanto o baião de dois, com o arroz molhadinho e tempero bem acertado.  Eu teria dispensado, talvez, a porção de linguiças, que foi além da conta de nossa fome e não estava nada extraordinária.

Comemos de virar os olhos sem gastar muitos réis. Só para dar uma ideia do tamanho de alguns dos pratos, a casa serve opções como picanha para até oito pessoas! Tudo saído de uma enorme churrasqueira ao lado do restaurante. É programa para um time inteiro de futebol (após um dia de intenso treino).

Depois da comilança tivemos que nos rastejar um tempo pelas vielas da Feira a ver se a digestão apressava. É claro que não consegui sair de lá sem comprar alguma coisa: além da quentinha com a linguiça (que serviu de petisco para um encontro entre amigos no dia seguinte) fui para casa com uma pequena trolha de queijo coalho.

Barracão do Aconchego

Endereço: Rua Piauí, 23, Feira de São Cristóvão (Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas) – Campo de São Cristóvão. Rio de Janeiro (RJ).

Contatos: (21) 3891-6798 / (21) 3891-6796

Mais sobre o restaurante: www.barracaodoaconchego.com

O Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas fica aberto de terça a quinta de 10h as 18h (entrada franca, exceto feriados) e de sexta de 10h a 21h do domingo (sem interrupção e com taxa de entrada R$ 3,00).

Sobre a Feira de São Cristóvão: www.feiradesaocristovao.org.br