O Bar do Mineiro e as feijoadas do Rio e São Paulo

O Bar do Mineiro e as feijoadas do Rio e São Paulo

Do Rio de Janeiro:

Não poderia ter dispensado algumas palavras sobre minha passagem pelo Bar do Mineiro, em Santa Teresa – mesmo que não fosse à intenção inicial escrever, já que naquela sexta-feira à tarde eu estava de folga do Diários Gastronômicos no Rio.

Nada como esticar o almoço no charmoso bairro carioca, naquele clássico botequim, começando com os imperdíveis pastéis de feijão do local e terminando lá pelas tantas dentro de uma vasilha de feijoada (R$ 55,00 para duas pessoas) – após algumas ampolas geladas.

Bar do Mineiro - feijoada

A feijoada do Mineiro está dentro do ótimo padrão carioca

A feijoada do Bar do Mineiro, se não é a melhor da cidade, está dentro do ótimo padrão carioca, que em minha opinião ainda não consegui encontrar em minhas incursões gastronômicas por São Paulo.

A servida na casa de Santa Teresa vem com uma cumbuca de um feijão bem temperado com carne seca, lombinho, duas qualidades de linguiça (paio e calabresa) e costela de porco. Além da travessa com couve, arroz, uma ótima farofa caseira misturada com torresmos sequinhos e as gomas de laranjas que não podem faltar.

Tenho uma teoria (sem base científica, apenas sustentada por minhas garfadas) de que pelo fato dos paulistanos comerem feijão carioquinha (o marrom) em seu cotidiano, qualquer prato de feijão preto com uma carne dentro torna-se imediatamente uma feijoada.

Bar do Mineiro 2

Os indispensáveis pastéis de feijão de entrada

Já para o carioca, que consome o feijão preto diariamente (este sim deveria ter o nome de carioquinha), uma feijoada tem que ter algo a mais para poder ser efetivamente considerada como tal. A feijoada, pois, não é só feijão preto. Este é a base da grande e sagrada mistura de carnes, embutidos e temperos do prato.

No Rio, me parece, há uma variedade maior de carnes e embutidos no preparo. É difícil encontrar alguma feijoada em Sampa, por exemplo, que inclua o paio (tão essencial item) e a linguiça fina de carne de boi, além da calabresa (comum em São Paulo) – servidas nos milhares de botecos de esquina da cidade.

A carne seca é outro item indispensável para o carioca e nem sempre presente na feijoada do paulistano. Em terras da Guanabara, o uso de outras partes como rabo de porco, língua de boi são mais comuns durante a feitura do feijão (mesmo que não sejam servidos depois para o público – que muitas vezes não quer ver a rabiola balançar na cumbuca, mas não dispensa o sabor que dá ao feijão).

Bar do Mineiro 1

Detalhes e peças curiosas nas paredes do Bar

O carioca também é um povo farofeiro. A farofa é um elemento bastante utilizado na gastronomia do Rio e não tão presente em São Paulo nos botecos, por exemplo. Os PFs de botequim em Sampa dificilmente vêm com farofa. Muitas vezes a farofa em Sampa é considerada apenas um item a mais (já cheguei a pegar até destas industrializadas, tipo Yoki). Uma boa farofa, preparada na hora, para acompanhar a feijoada, é algo essencial ao conjunto.

A típica feijoada de cumbuca de São Paulo (a feijuca comum de boteco) também é servida com fatias de bacon ao invés de torresmo (há exceções). No Rio, o torresmo é mais comum. Para completar, há diferenças também no tempero. O carioca é chegado naturalmente ao alho e ao coentro. Segundo me disse um poeta amigo, o samba e a maresia também tem influência no fato do Rio servir uma melhor feijoada.

Bar do Mineiro

O Bar do Mineiro vale antes de tudo por seu ambiente

Sem ir tão distante (e viajante) na prosa, ainda tenho que rodar mais por terras paulistanas para reforçar minha teoria. Sempre frisando que levo em conta o padrão cotidiano (dos botecos-lanchonetes de São Paulo e dos botequins no Rio).

No mais, para quem quiser comer uma típica feijuca paulistana (padrão), recomendo a do Ugue´s Lanchonete, em Higienópolis. No Rio, a ida ao Bar do Mineiro, antes dos pastéis de entrada e da feijoada, vale antes de tudo por seu ambiente e pela sempre agradável subida ao bairro de Santa Teresa.

Como se trata de um bar de um mineiro, não poderia deixar de citar o povo de Minas por aqui: a galera de BH certamente dirá que a melhor feijoada é a sua, mas esta polêmica fica para outro texto – aqui me atenho apenas a comparação Rio x São Paulo. O que posso dizer é que o bom tempero do Bar do Mineiro tem algo de Minas também.

Bar do Mineiro

Funcionam de Terça a sábado das 11h à 2h. Domingo das 11h à meia-noite.

Aceita cartões de débito e crédito.

Endereço: Rua Paschoal Carlos Magno, 99 – Santa Teresa (próximo ao Largo dos Guimarães). Rio de Janeiro (RJ).

Contatos: (21) 2221-9227 / (21) 2508-8580/ bardomineiro2009@hotmail.com

Citado também: Ugue´s Lanchonete

Funciona de segunda a sábado das 11h30m às 24h.

Rua Marques de Itu, 1.039 – Consolação/Higienópolis. São Paulo (SP).

Contatos: (11) 3661-3197